Fotos de Alfredo Cunha em revista de Viana promovem cidade cenário por todo o mundo

Fotos de Alfredo Cunha em revista de Viana promovem cidade cenário por todo o mundo

Escrito em 26/06/2020
Rádio Alto Minho

“Viana é uma cidade cenário, cidade luz, é transparente, talvez devido ao mar e ao rio. Mesmo nos dias piores é uma cidade bonita. Seria muito difícil não fazer boas fotografias aqui. Já vi a cidade desde o céu e é brutal”, afirmou hoje o fotojornalista na apresentação da segunda edição da “Revista Viana”, no Centro de Mar, instalado a bordo do Gil Eannes, que faz a capa da publicação.

Alfredo Cunha lançou um repto à Câmara de Viana do Castelo para lançar um percurso fotográfico para dar resposta à crescente procura de propostas de turismo fotográfico.

“Viana do Castelo é uma cidade despoluída, onde se circula bem a pé e de carro. Há temas fantásticos desde as igrejas, a talha, os azulejos, as pessoas, a gastronomia. Viana do Castelo é uma cidade tema que tem do melhor turismo que se faz em Portugal”, destacou o fotojornalista.

De acordo com as contas do fotojornalista Alfredo Cunha, os cinco mil exemplares da segunda edição da revista deverão atingir cerca de meio milhão de pessoas.

As fotografias registadas por Alfredo Cunha e que estão incluídas na segunda edição da “Revista Viana” vão integrar uma exposição em preparação para os Antigos Paços do Concelho, na Praça da República.

Já o presidente Câmara, José Maria Costa, adiantou que a publicação vai a ser distribuída pelos hotéis e restaurantes do concelho, apresentada em eventos e outras ações de promoção, enviada para embaixadas câmaras de comércio e outras entidades de todo o mundo.

“É um instrumento de trabalho que vai ser disponibilizado para promover a cidade e tentar aumentar a capacidade de retenção de turistas”, disse José Maria Costa.

A revista, redigida em português e inglês, inclui “autênticos tesouros fora das rotas turísticas que animam a cidade e o concelho, para convidar o turista a descobrir, a saborear e conhecer”.

A nova “Revista Viana”, apresenta a Ponte Eiffel, “marca inconfundível de quem chega a Viana do Castelo”, o património edificado – Casa dos Nichos, Capela das Malheiras, Igreja de S. Domingos, S. Bartolomeu dos Mártires, Igreja da Misericórdia -, apresentando ainda “as paredes que contam histórias” através do Roteiro do Azulejo e Talha Dourada.

A revista leva ainda os leitores “Em busca da Herança dos Descobrimentos” através do Roteiro Manuelino e ainda a “Uma viagem no tempo” pelo Forte de Santiago da Barra.

A Natureza assume lugar de destaque, com a Serra d’Arga a ser considerada “Um museu ao ar livre”, realçando-se ainda o garrano como “O bravo cavalo das montanhas” e os miradouros como “varandas sobre a cidade”. A revista identifica ainda trilhos de enorme diversidade paisagística e apresenta o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA).O mar e o rio são atrativos do concelho e, por isso, a ver ista apresenta a Ribeira de Viana, Darque, Castelo do Neiva, e ainda o último construtor de barcos de pesca à mão.

Tal como na primeira edição, é apresentado um conjunto de hotéis do concelho, para referência turística, e a gastronomia, desta vez, incide nas tabernas de Viana do Castelo, com os típicos petiscos regionais e o peixe fresco.

Na Cultura, é apresentada a Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, a Citânia de Santa Luzia, o Museu do Pão de Outeiro e, como não poderia deixar de ser, a Romaria d’Agonia. É ainda apresentada uma proposta para se conhecer a “Cidade Cenário” que tem atraído diversas produções nacionais através da Film Comission e uma cidade “Desportivamente Imparável” que tem conquistado múltiplos eventos nacionais, europeus e até mundiais.

A revista encerra com “Uma economia pulsante” que destaca a economia vibrante do concelho, que tem atraído investimentos em catadupa, com a Vianatech, o projeto Windfloat e a Solutions 30 no radar internacional.