Fatura de março chega a casa dos consumidores da Águas do Alto Minho até final deste mês

Fatura de março chega a casa dos consumidores da Águas do Alto Minho até final deste mês

Escrito em 25/06/2020
Rádio Alto Minho

A informação foi avançada pelo presidente não executivo da Águas do Alto Minho . Carlos Martins especificou que a empresa já começou a enviar as faturas de março, processo que ficará concluído até final de junho.

“Depois vamos calmamente, sem criar nenhuma pressão sobre o orçamento familiar, enviar as seguintes. Em julho emitiremos a de abril, em agosto a de maio. Andaremos com algum atraso, ainda que recuperando um intervalo de tempo, sem criar pressão excessiva. Esperamos paulatinamente até ao final do ano recuperar uma fatura. A outra será recuperada em 2021”, afirmou Carlos Martins.

Carlos Martins assegurou que “não haverá nenhuma pressão excessiva” sobre os 107 mil clientes “para recuperar de uma vez só, ou num mês só, aquilo que ficou acumulado”.

“Vamos encontrar um mecanismo para as pessoas poderem ter uma forma suave de poder pagar a outra fatura que ficar pendente, mas sem imposição de pagar na mesma data das outras. Vamos sempre tentar que as datas de pagamento criem alguma folga nas finanças das pessoas e depois encontraremos uma maneira que seja tranquila junto dos clientes”, especificou.

Em abril, após terem sido detetados erros de faturação que afetaram 15 mil consumidores, a empresa suspendeu a faturação.

Na altura, Carlos Martins pediu desculpa aos 15 mil clientes, fez questão de “deixar bem claro” que “ninguém sairia prejudicado”.

Hoje garantiu que os erros detetados nas faturas de janeiro e fevereiro “já foram todos regularizados” e para que a situação se repita foi adjudicado, na quarta-feira, a uma empresa externa, uma das seis que concorreu ao concurso público lançado pela Águas do Alto Minho, o serviço de leitura dos contadores.

“Muitos dos erros detetados tinham a ver com leituras antigas que vinham de ficheiros que herdámos e que vinham mal contabilizados. A peça chave para ocorrerem menos erros é ter um bom sistema de leituras”, explicou.

Segundo Carlos Martins, “uma boa leitura de consumos dá mais confiança de que não está a introduzir nenhum fator de estimativa que possa criar algum problema no valor faturado”.

“Vamos aumentar o intervalo de leitura reais, em vez de dados de leituras estimadas e, com esse trabalho, dar maior garantia às pessoas de que estamos a cobrar o que é devido”, especificou, adiantando que “dentro de um mês” a empresa a quem foi adjudicado o serviço “estará no terreno a fazer as leituras reais”.